Consultoria de ATER a mulheres entre 2/06 a 12/13

Através do projeto SEBRAE Goiás E INCRA  a zootecnista Lívia Pelá Corrêa foi consultora de ATER via empresa terceirazada Produzir Rural entre fevereiro de 2006 a dezembro 2013 o assentamento Rio Vermelho localizado em Niquelândia Goias na época as mulheres do assentamento solicitaram a consultora que as auxiliassem na construção de uma associação só de mulheres, neste desfio foram feitas varias reuniões de planejamento até que a associação se constituiu. Desde 2006 o grupo se organizou em busca da emancipação financeira, porém somente em 2010 houve a formalização da mesma.

Em Niquelândia, 80% dos produtos vegetais da alimentação básica que circulam no mercado local provêm de centrais de abastecimento de Goiânia e de Anápolis. A produção do município e de seu entorno praticamente não é comercializada internamente por não atender aos requisitos de qualidade e regularidade.

O projeto Agroindústria Comunitária está mudando este cenário por meio do estímulo ao associativismo e empreendedorismo das participantes da Associação das Mulheres do Rio Vermelho (AMURV). A proposta se centra na estruturação de uma agroindústria coletiva, para fornecimento de vegetais (cenoura, repolho, milho, jiló, tomate) e produtos beneficiados (polpa de frutas, geleias, conservas) ao mercado local e regional.

Com 120 metros quadrados, a fábrica contará ainda com uma edificação anexa de 95 metros quadrados que comporta as áreas administrativas, vestiários e refeitórios. O espaço foi equipado com processador de alimentos, fogões e fornos industriais, freezers, purificadores de água, seladoras manual e a vácuo, moedor de grãos, balanças digitais, despolpadeira de frutos, panelas, caçarolas e demais utensílios de cozinha.

O investimento do ReDes proporcionou também que a Amurv adquirisse para o negócio caminhão com baú, computador e impressora, móveis para escritório, mesas em aço inox, e insumos para manuseio nas hortas, como adubos, sementes, fertilizantes e materiais para irrigação. Além disso, o Programa ReDes irá garantir as despesas iniciais da fábrica com energia, gás, telefone, serviços contábeis, capacitações e treinamentos.

Inicialmente, serão beneficiadas 36 mulheres associadas. A inauguração da fá

brica marca a conclusão de um ciclo iniciado em 2011, quando a Amurv foi selecionada pelo Programa ReDes para a execução de um projeto de horta comunitária e, posteriormente, o beneficiamento dos alimentos produzidos. O investimento total no projeto é de R$ 443 mil reais.

Confiram a matéria sobre a agroindústria que estimula parceria para desenvolver o cultivo de alimentos em assentamento de mulheres de Niquelândia.

Texto foi publicado na Safra – Revista do

Agronegócio: http://bit.ly/1pQElKZ